ECOLOGIA E MOVIMENTOS SOCIAIS:

BREVE FUNDAMENTAÇÃO

  

 

Uma das minhas mais gratificantes experiências usufruídas do contato com os movimentos sociais foi o acompanhamento das lutas de populações de atingidos por barragens.

Explicitamente, a construção de hidrelétricas constitui um notório problema socioambiental que agrava as condições de vida de amplos segmentos da população brasileira.

Neste sentido, recordo-me da exposição dos problemas enfrentados por membros destes grupos, obtido através da fala simples de lideranças de agricultores e ribeirinhos do interior do Brasil.

Na voz dessas lideranças, a unanimidade em denunciar um aparato de Estado hostil às populações tradicionais, entendidas como um "estorvo" para o progresso. Não há como negar, o modo de vida dos grupos afluentes se reproduz com o desmantelamento das comunidades tradicionais, invariavelmente para sempre.

Foi neste contexto que em 1990 o antropólogo Aurélio Vianna, um especialista em comunidades tradicionais camponesas, convidou-me para redigir texto visando subsidiar e capacitar o Movimento Nacional de Atingidos por Barragens. Desta forma, elaborei Ecologia e Movimentos Sociais: Breve Fundamentação.

O texto Ecologia e Movimentos Sociais: Breve Fundamentação foi publicado na Coletânea Hidrelétricas, Ecologia e Progresso - Contribuições para um Debate, uma edição do Centro Ecumênico de Documentação e Informação (Rio de Janeiro, 1990), encontrando-se à disposição de todo interessado.

 

 

 

 



Joomla Templates by Joomla51.com